Aline Queiroz Municípios pequenos e com pouca estrutura são apontados pelas autoridades de saúde como os principais responsáveis pela superlotação em hospitais de Campo Grande. Agora, os médicos resolveram constatar se isso realmente ocorre, em quais proporções e onde as deficiências são piores.Ação desenvolvida pelo Sinmed (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul) fará um raio-X da situação no interior de Mato Grosso do Sul para elaborar um diagnóstico e apresentar propostas de soluções aos problemas encontrados. A região Sul do Estado foi a primeira a receber a visita da Caravana Fenam (Federação Nacional dos Médicos). O presidente do Sinmed, João Batista, já percorreu três municípios: Aral Moreira, Tacuru e Coronel Sapucaia. De acordo com o presidente da entidade, a situação mais crítica foi observada em Aral Moreira, por enquanto, onde foram detectadas falhas estruturais, além de falta de pessoal. A cidade tem mais de 8 mil habitantes e conta com três unidades de atendimento, além de um hospital. A unidade hospitalar não tem enfermeiro e o número de médicos não ultrapassa quatro. Batista explica que seriam necessários pelo menos mais dois profissionais. Ele revela ainda que o hospital apresenta problemas de higiene. O refeitório tem condições precárias de funcionamento, com ferrugem, paredes mofadas e piso comprometido. O local destinado ao armazenamento de roupas também foi considerado inadequado, por falta de esterilização. Já a cidade de Tacuru pode ser considerada “modelo” enquanto Coronel Sapucaia fica “no meio termo”, segundo Batista.Tacuru tem cinco unidades de atendimento, das quais uma é hospital. A população da cidade conta com atendimento de especialistas como neurologista, ortopedista e até fisioterapeuta. A estrutura é considerada invejável, “o problema está no número de profissionais, apenas 4 médicos e 1 fisioterapeuta”, informa o sindicato. Para o presidente da entidade, na elaboração do diagnóstico a cidade poderá ser apresentada como um exemplo já que consegue superar as limitações. Batista destaca que o objetivo do estudo é fazer um relatório com sugestões de investimentos e melhorias. Esta foi a primeira visita da Caravana Fenam. O cronograma das atividades futuras ainda não foi divulgado. (fonte: jornal Campo Grande News – 21.11.08)

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.