Um estudo mostrou que o uso prolongado do Avastin (bevacizumab) aumenta a vida da doente com câncer de ovário, sem progressão. A droga já é aprovada para câncer de mama, colorretal, renal e de pulmão. A Roche, que o fabrica, quer aprová-lo para tratar o de ovário. O estudo envolveu 1.837 doentes já operadas. Nas que usaram quimioterapia e Avastin, e prolongaram o seu uso por dez meses, a sobrevida sem progressão da doença aumentou quatro meses. “Há mais de dez anos não foi descoberto nada que melhorasse o prognóstico de câncer de ovário”, diz o coordenador do estudo, Robert Burguer, do Fox Chase Cancer Center, da Filadélfia. Para ele, o medicamento pode se tornar tratamento-padrão de câncer de ovário. Elizabeth Eisenhauer, diretora do Instituto Nacional do Câncer do Canadá, disse que o alto custo da droga pode não compensar o ganho. Também há dúvidas sobre efeitos colaterais. “Precisamos de mais tempo para saber quais são esses efeitos e o impacto na sobrevida das pacientes”, diz Paulo Hoff, diretor do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. (Fonte: Site Folha – 10.06.2010)

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.