O balanço parcial dos atendimentos da IX Campanha de Prevenção ao Câncer de Pele em Mato Grosso do Sul resultou no atendimento de cerca de 400 pessoas de Campo Grande e Três Lagoas. O atendimento nesses dois municípios mobilizou pelo menos 15 profissionais da área de saúde que, além das consultas, também fizeram procedimentos cirúrgicos. Os atendimentos aconteceram no Hospital Universitário, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, na capital do Estado, e em Três Lagoas no Centro de Especialidades Médicas. “A grande vantagem da campanha foi que quando o problema era detectado, nós já repassávamos para o procedimento cirúrgico, caso houvesse necessidade”, avaliou a coordenadora regional da Campanha em MS, Rubenilda dos Santos Barbosa. Outra vantagem apontada pela médica dermatologista é a possibilidade de tratar pessoas que tem pouco conhecimento sobre a doença. Esse é o caso do aposentado Antônio Sotolani, de 61 anos, que todos os anos acompanha a campanha. No ano passado, ele passou por cirurgia e já sofre com o problema há pelo menos três anos. As manchas pela pele começaram a incomodar Sotolani, que sempre trabalhou na lida da fazenda. “Sempre trabalhei sob o sol na fazenda, nunca tive cuidado, e em Nioaque não dava para fazer esse tratamento”, explicou o aposentado, que esse ano, novamente, passou por cirurgia. O pesquisador da área de alimentos, Antonio Hercílio da Silva, de 63 anos, foi acompanhado da esposa Laurita Mandarino da Silva. Preocupado com as manchas que estavam em sua pele e adicionado ao fator genético, Hercílio desconfiava que já estava com a doença. “Como na minha família tinha casos de câncer e estava preocupado com as manchas, resolvi vir”, comentou. As manchas pela pele do pesquisador eram realmente de câncer. “É uma fase inicial, mas agora vou me tratar”. Cuidados A Sociedade de Dermatologia recomenda a realização do auto-exame de pele a cada três meses. Sem roupa e na frente de um espelho, observe o corpo todo, incluindo a área genital. Ferida que não cicatriza, sinal com aspecto irregular, uma “pinta” preta ou acastanhada que muda de cor, textura, torna-se irregular nas suas bordas e cresce de tamanho ou uma mancha que continua a crescer apresentando coceira, crostas, erosões ou sangramento devem ser analisados com mais rigor. Uma maneira simples e prática de identificar o melanoma é utilizar o que os dermatologistas chamam de Teste ABCD. Repare se o sinal ou a pinta apresenta: Assimetria (os dois lados têm formatos e tamanhos diferentes); Bordas irregulares; Cores variadas, principalmente tons de preto e Diâmetro maior que 6 milímetros. Como se proteger – evite o sol entre 10h e 15h. Os raios que bronzeiam são os UVA, emitidos até as 10h é após as 15h. No entanto, os raios da manhã ou do final da tarde também causam envelhecimento e tumores; – escolha um filtro que tenha proteção contra os raios UVA e UVB e seja adequado ao seu tipo de pele. No entanto, o produto não é 100% garantido contra os malefícios solares. A fotoproteção eficaz inclui o uso de chapéus de abas largas, óculos escuros, blusas de mangas e calças compridas. Assim, o preço do protetor solar não é desculpa para não se proteger do sol. – é importante se proteger na praia, mas também no dia-a-dia, principalmente nas regiões aonde o sol aparece o ano todo. A regra também vale para os dias nublados, pois a radiação UVA, responsável pelo envelhecimento e pelo aparecimento de melanoma, atinge a Terra durante todo o dia. A incidência da radiação UVB, causadora dos carcinomas, se intensifica entre 10h e 15h. – embora as partes do corpo mais expostas ao sol sejam as mais predispostas ao aparecimento do câncer de pele, couro cabeludo, lábios, orelhas, mãos e pés também exigem proteção; – alique o filtro solar a cada duas horas. Se houver transpiração excessiva ou imersão prolongada na água, antecipe a reaplicação; – os raios ultravioleta podem refletir em qualquer superfície, como areia, água e concreto. – a exposição em máquinas de bronzeamento artificial também causam câncer de pele, por isso, a SBD não aconselha o uso deste tipo de equipamento. Já a utilização de loções auto-bronzeadoras é liberada. Crianças Não use filtro solar em bebês até 6 meses de idade. Mantenha-os fora do sol. Assegure-se de que há sombra total nos carrinhos e na cadeirinha do carro. Quando sair à rua, use sempre sombrinhas para o sol. Alguns remédios fazem com que a pele da criança fique mais sensível ao sol. Quando o pediatra prescrever alguma medicação, pergunte se o sol deve ser evitado. Fonte: Midiamax News

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.