Nesta semana, a crise da Santa Casa, maior hospital de Campo Grande, foi tema de Audiência Pública. Além da falta de leitos e a escassez de recursos, o presidente do hospital, Wilson Teslenco, colocou em pauta a dívida crescente do hospital.

A Santa Casa hoje sofre com um déficit mensal em torno de R$ 4 milhões, o que compromete o atendimento aos pacientes. Os salários médicos também foi um fator importante no debate, no último mês houve corte de 30% nos salários de todos os médicos.

A Audiência Pública reuniu autoridades, parlamentares e representantes de outros hospitais e entidades da saúde. O presidente do CRM-MS, Alberto Cubel Junior, lamentou a crise instalada no Hospital: “Além de ilegal, o corte nos salários desses médicos que são, antes de tudo, trabalhadores e totalmente qualificados, desestimula aqueles que continuam na Santa Casa. E acredito ainda, que o hospital irá perder excelentes e importantes profissionais”.

O presidente do Conselho Regional de Medicina de MS também pontuou fatores que corroboram com a super lotação e o aumento do número de ocorrência nos postos. Entre eles, Cubel destaca a falta da implantação da lei seca que poderia diminuir riscos de acidentes de trânsito, falta de pré-natal adequado e deficiência da saúde primária nas unidades básicas.

Após 4 horas de debate, não houve ainda um posicionamento definido quanto aos problemas enfrentados pela Santa Casa de Campo Grande.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.